Do nada

Do nada se discorre Sobre um tal estado Digo que é não querer mudar Isso é que é felicidade A rua vazia Uma folha grande e seca Faz um estardalhaço danado Me perseguindo a mando do vento Uma borboleta âmbar Chamo de borboletâmbar Vem em meu encalço Perseguição danada de boa Atravessa rua, avenida E […]

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter